Do Oiapoque ao Chuí – Bem Paraná

Chove. Choveu. Choverá. Do Oiapoque ao Chuí. Do Sul ao Nordeste e Norte, todos os lugares mais emblemáticos para o Turismo brasileiro ficaram submersos. E quando as águas voltarem para o leito dos rios, as enchentes abandonarem as ruas e as casas deixarem de ter apenas os telhados aparentes, tudo vai continuar complicado.

Será a vez da leptospirose, do aumento de febre amarela, dos mosquitos que chegam trazendo quatro ou cinco doenças a mais, todas de difícil controle e tratamento. O que fazer nas férias? Porque mesmo que a natureza não estivesse tão madrasta, sempre teríamos as estatísticas da violência, que coloca nosso belo e imenso país continente, entre primeiros lugares do planeta no número de assassinatos, balas perdidas, chacinas. Rebelião nas cadeias nordestinas, capitais de belas praias e belas paisagens, tesouros de artesanato e folclore, boa gastronomia regional, vivendo o inferno da violência descabida.

O jeito é viajar para outros destinos. De preferência escolhendo pequenas cidades, pequenas jóias de história, arquitetura e arte, fugindo sempre das metrópoles, onde qualquer aglomeração, mesmo que seja a passagem por uma ponte, -como na Inglaterra-, pode ser o passaporte para virar notícia da coluna policial internacional.

PERU DE LUXO

Terezinha Ferreira, que cuida dos negócios da Flot Operadora em nossa cidade, reuniu os principais agentes de viagens no Hotel Mabu curitibano, para divulgar os novos roteiros da operadora Flot, focalizando o luxo no Peru.

O Peru é sempre visto como destino de aventuras, misticismo, ecologia. Mas é também um destino de luxo, conforto e elegância. Hotéis cinco estrelas, iates, trens luxuosos e especiais, limusines, jantares à beira-mar, tudo é possível na terra dos Incas. E há, lógico, Machu Picchu, Misti, Lago Titicaca, rio Amazonas. Em Ica ficam as misteriosas linhas de Nasca, com suas 12 figuras geométricas  gigantescas, e perenes, melhor apreciadas em voos especiais. Foram desenhadas há milhares de anos em relevo, sobre areais.  Na região dá ainda para aproveitar  as belezas das Ilhas Ballestas, com passeios de catamarã e apreciar o mundo marinho de Paracas. Mergulhar com lobos marinhos, fotografar pinguins de  Humboldt e apreciar os milhares de aves em revoada, fazem parte do roteiro. Os hotéis com suítes de frente para o mar, garantem o luxo na área.

TREM BELMOND ANDEAN EXPLORER

Percorrendo uma das maiores rotas ferroviárias do planeta, o trem  parte de Cusco para o Lago Titicaca e Arequipa,  no Peru. A viagem acontece a três mil metros acima do nível do mar.  E tudo é atração, tanto no trem quanto na paisagem. O trem, com sua locomotiva que fazia parte de um trem de luxo australiano, foi inteiramente remodelado e as cabines são oferecidas em quatro tipos, cada qual com diferentes tipos de cama, banheiro e chuveiro. O artesanato peruano, cujo ponto alto são os tecidos à mão de lã de alpaca, sempre em cores fortes, foram utilizados na decoração. Luxo também é exclusividade: o trem só transporta 48 passageiros.


Trem Andino – O luxo nos trens peruanos: o Belmond Andean Explorer transporta apenas 48 pessoas


ROTEIRO

Um ponto alto da viagem é a passagem pelo Cânion de Colca, segundo maior desfiladeiro do planeta. Que é duas vezes mais profundo do que o famoso Grand Canyon dos Estados Unidos.

O Lago Titicaca, entre o Peru e a Bolívia, é parte do misticismo da região, com seus sítios arqueológicos. Lá nas alturas, o céu é mais límpido, o que propicia uma melhor observação das estrelas.

A Ilha dos Uros – ou Ilhas Flutuantes –, fazem referência à população pré-colombiana local, um dos principais atrativos de Puno. As ilhas flutuantes são feitas com plantas similares ao junco – totoras – e já são 90, abrigando 300 famílias.

Na fronteira entre Cusco e Puno, a estrada de ferro passa por trechos que eram usados pelos Incas. Cusco, a antiga capital dos incas, é a grande atração turística, com sua arquitetura de grandes pedras, que foram utilizadas pelos espanhóis  para construir suas mansões, durante a ocupação. No alto dos 4 mil metros acima do nível do mar, os sítios arqueológicos e os museus são as atrações mais procuradas pelos visitantes.

A Fortaleza de Sacsayhuanán e o Inti Ramy, Festival do Sol que celebra o solstício de inverno, comemorado em 24 de junho, são os principais destaques. Cusco é também o caminho para Macu Picchu, cidade pré colombiana no alto do planalto, na floresta amazônica. O sítio arqueológico é, desde 1983, Patrimônio Mundial da Humanidade.


Tandino – O Cânion de Colca é o segundo maior desfiladeiro do planeta e é duas vezes mais profundo do que o Grand Canyon dos Estados Unidos.


HOTEL MONASTÉRIO

A cidade mais antiga da América do Sul, Cusco, é lugar de tradição e lendas, em um cenário perfeito, no alto dos Andes. Seus muitos locais históricos revivem a história dos Incas e a rota dos conquistadores espanhóis.

Parte da história da cidade está concentrada no Hotel Monastério, que foi um antigo local religioso, construído sobre ruínas de paredes de pedras dos Incas. Embora mantendo a paz e o clima da elegância colonial de séculos passados, o hotel foi remodelado para oferecer todo o conforto moderno, nas suítes decoradas com  peças de antiquário e pinturas dos séculos 16 e 17. A capela San Antonio Abad é utilizada para eventos especiais.

A Plaza de Armas e o Museu Pre-Colombiano de Arte ficam nas proximidades, assim como a famosa Sacsayhuaman. Depois de um dia de visitas e descobertas inesquecíveis, os hóspedes aproveitam o claustro e seus jardins, para  curtir um pisco ou coca sour.

O hotel é o único no mundo com quartos providos de oxigênio, sistema que combate os efeitos da altitude local. O que garante uma noite bem dormida e um despertar com força total, para continuar  a explorar as belezas da terra.umHumbol

Fonte: Do Oiapoque ao Chuí – Bem Paraná

%d blogueiros gostam disto: